RM044 | Romanos 7:4 a 6 | A Natureza Dominante da Lei Judaica / A Natureza Dupla da Lei Judaica

A Natureza Dominante da Lei Judaica

Texto Bíblico |A Lei Domina até a Morte: Plenamente Executado em Cristo | 7.1.3

4 Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus.

 A Natureza Dupla da Lei Judaica

Texto Bíblico | De Modo Negativo a Lei Provoca o Pecado | 7.2.1

5 Porque, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a morte.
6 Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra.

Comentário

Quando um homem crê em Cristo, morre com Ele. (Isto foi ensinado em Romanos 6:3-9). Agora, seguindo uma ilustração de uma mulher libertada do seu marido pela morte, Paulo mostra que o crente está livre da lei e da sua punição. Por morrer com Cristo, a ameaça da punição já foi removida; o pecador foi libertado (v.4). Agora pode se casar com Jesus Cristo, que está vivo novamente.

Este novo casamento providencia duas grandes bênçãos. Primeiro, o crente pode saber que assim como sempre foi obrigado a ser punido segundo a lei, agora ficou completamente desculpado (justificado) por Cristo! Isto se baseia na vida eterna que os dois (o crente e Cristo) possuem!

Segundo, enquanto que o casamento do pecador com a lei trouxe o “fruto” de [1] escravidão, [2] culpa, [3] vergonha e [4] morte, o casamento do crente com Cristo dá o “fruto para Deus.” Ele está libertado para servir a Deus sem temor. O fruto é “para santificação (Rm 6:19-22).


Tendo declarado a natureza dominante da lei, agora Paulo mostra os efeitos desta dominação. Primariamente, a lei não acaba com o pecado, mas o provoca nas suas paixões. Estas “paixões” (v.5) mostram a natureza [1] rebelde e [2] animal do pecado. Primeiro, ao invés de estar restringido pela lei, o pecado rejeita a lei. Segundo, o pecado reage agressivamente como uma fera silvestre quando a lei o esquadrinha. O pecado odeia ameaças e limitações de tal forma que regularmente destrói a pessoa que o comete (por o levar a fazer coisas que a lei prevenia). Este é o “fruto para a morte.”

Aqueles que crêem em Jesus Cristo não são nem ameaçados nem limitados pela lei. Na verdade, são libertados da penalidade da lei. Isto produz uma mudança maravilhosa no crente. Ele agora está animado a obedecer a própria lei que antes o provocava. Esta mudança de coração se baseia na certeza que nunca será obrigado a ser punido pelas demandas da lei. Isto cria um belo paradoxo, porque o crente agora busca toda razão para fazer o bem, ainda que muitos talvez pensem que ele usaria isto como razão para fazer o mal. (Confira capítulo 6, onde isto é explicado em mais detalhes.)

Finalmente, Paulo mostra que enquanto o homem era obrigado a obedecer a lei, precisava servir a Deus sob a mesma “letra” velha (v.6), sempre ameaçado com a morte. Agora, porém, ligado ao Cristo ressuscitado, ele pode servir a Deus com alegria e com um novo “espírito.” Ele sabe que viverá. Essencialmente, quando alguém entende que está libertado da lei, muda a sua atitude. Agora, quer obedecer as regras que antes rejeitava.

Perguntas Interativas

  1. Com quem devemos nos casar agora que estamos mortos para a lei pelo corpo de Cristo?
  2. Para quem devemos dar fruto no nosso casamento?
  3. O que causava a operação das paixões dos pecados em nossos membros para darem fruto para a morte?
  4. Devemos servir em novidade de espírito ou na velhice da letra?

Palavras-Chave

  • Carne – Aqui, o estado daquele que está culpado diante de Deus, não tendo o Espírito de Deus nele
  • Espírito – A parte invisível do homem; aquilo que está motivado a agir no homem (contraste com o “coração” que motiva)
  • Lei – Aqui, o padrão escrito de Deus dado aos judeus que discerne o certo e o errado
  • Letra – Aqui, as palavras da lei
  • Libertados – Desobrigados
  • Paixões do Pecado – Emoções; impulsos do pecado
  • Paradoxo – Duas coisas que se contradizem mas ainda são a verdade
  • Pecado – Desobediência contra Deus
  • Santificação – Consagração; purificação; Separado para Deus e identificado com Ele; sem pecado
  • Vida eterna – Vida de alta qualidade que dura para sempre

RM042 | Romanos | Índice de Capítulo 07

Capítulo 07 | A Lei de Deus

7.1.1 A Natureza Dominante da Lei Judaica (vv.1 a 4)

7.1.1 A Lei Domina até a Morte: Plenamente Declarado

7.1.2 A Lei Domina até a Morte: Plenamente Ilustrado no Casamento

7.1.3 A Lei Domina até a Morte: Plenamente Executado em Cristo

7.2.1  A Natureza Dupla da Lei Judaica (vv.5-13)

7.2.1 De Modo Negativo a Lei Provoca o Pecado

7.2.2 De Modo Positivo a Lei Revela o Pecado

7.3.1 A Incapacidade da Lei Judaica, Ainda que Seja Espiritual, de Fazer o Homem Espiritual (vv.14-25)

7.3.1 A Lei É Espiritual

7.3.2 O Homem É Carnal

7.3.3 O Homem Está numa Guerra que Não Consegue Ganhar pela Lei

7.3.4 O Homem Está numa Guerra que Consegue Ganhar por Jesus Cristo

RM040 | Romanos 6:14 a 20 | Os Preceitos da Graça Transformadora de Deus

Texto Bíblico | Obedeça a Lei| 6.3.1

14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.
15 Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum.

 Texto Bíblico | Apresente-se a Servir à Justiça | 6.3.2

16 Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?
17 Mas graças a Deus que, tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues.
18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para santificação.
20 Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça.

Comentário

O pecado perde o seu poder sobre os que têm recebido a graça. Antes, condenava-os a morrerem (Rm 5:21); agora, eles estão livres (v.14). Paulo afirma, porém, que esta liberdade da punição nunca é uma razão para pecar (v.15).


Todo mundo pode escolher o seu senhor. Se alguém escolher a se submeter (“vos apresentardes” v.16) ao pecado, então ele será o servo do pecado. Se alguém escolher a obedecer a Deus, então ele será dominado pela justiça. A submissão ao pecado resulta em “morte. A submissão para Deus resulta em “justiça.” A razão porque o fim do pecado é a morte mas o fim da obediência é a vida é porque Paulo não está se referindo a obedecer a lei; mais sim, está se referindo a obedecer a verdade. (Esta é a verdade de Jesus Cristo, que pela Sua morte todo o pecado foi pago, e o homem pode ser feito inocente diante de Deus.) Por esta razão Paulo continua por dizer que o crente obedeceu “de coração à forma de doutrina” que tirou o domínio do pecado. Esta “doutrina” é ensinamento. Lembre-se de que o pecado inicial do homem era rejeitar o que a natureza ensinava de Deus (Rm 1:18, 25). Aqueles que aceitam a “doutrina” de Jesus Cristo estão essencialmente voltando para a verdade de Deus. Deus isso chama de obediência, e por ela Ele concede ao crente a justiça de Jesus Cristo. (É por esta justiça que o crente é dado vida.)

Paulo confirma, aos romanos, que eles não eram mais os servos do “pecado,” mas da “justiça” (v.18). Ele assim confirma para esclarecer o que está prestes de dizer. Eles eram um povo transformado que nunca serviria mais o pecado. Este fato, óbvio aos romanos e a Paulo, não era óbvio aos outros que erradamente pensavam que a doutrina da graça era uma licença para pecar. Ele, portanto, escolhe falar “como homem, pela fraqueza da vossa carne” (v.19). Sendo que os homens questionam a graça, e os seus questionamentos podem afeitar até os romanos (porque ainda tinham carne fraca), Paulo claramente manda-os a submeterem os membros do corpo à justiça, e não à imundícia ou ao pecado. Paulo adiciona que a justiça era impossível quando alguém era o servo do pecado (v.20). Os crentes, porém, desejam a justiça, então este desejo também serve como outra razão para evitarem o pecado.

No final das contas, a submissão a Deus leva o crente à “santificação” (.19); ele pertence “a Deus” (v.13). Isto magnifica a Deus e a Sua obra na vida de alguém que confia em Jesus Cristo.

Perguntas Interativas

  1. Estamos debaixo da lei ou debaixo da graça quando o pecado não tem domínio sobre nós?
  2. O que você se torna para aquele a quem você se apresenta?
  3. O que nós obedecemos de coração que nos fez não os servos do pecado mas da justiça?
  4. Do que éramos livres quando éramos os servos do pecado?

Palavras-Chave

  • Apresentai – Oferecei
  • Apresentardes – Oferecerdes
  • Apresentastes – Oferecestes
  • Carne – Corpo
  • Domínio – Poder; autoridade
  • Graça – Bondade de Deus aos que não merecem
  • Fraqueza – Debilidade
  • Justiça – Aquilo que alcança o padrão de Deus
  • Lei – Aqui, padrão escrito de Deus do certo e do errado
  • Pecado – Desobediência a Deus
  • Santificação – Separação do pecado e identificação com Deus

RM037 | Romanos | Índice de Capítulo 06

Capítulo 06 | A Graça de Deus

6.1.1 As Pinturas da Graça Transformadora de Deus (vv.1 a 7)

6.1.1 A Morte ao Pecado e a Nova Vida em Cristo São Simbolizadas no Batismo

6.1.2 A Morte ao Pecado e a Nova Vida em Cristo São Simbolizadas na Plantação e no Crescimento duma Semente

6.1.3 A Morte ao Pecado e a Nova Vida em Cristo São Simbolizadas na Crucificação

6.2.1 O Poder da Graça Transformadora de Deus (vv.8 a 13)

6.2.1 Perceba que a Morte e Ressurreição de Cristo Terminaram o Domínio da Morte Sobre Cristo

6.2.2 Perceba que Sua Própria Morte e Ressurreição em Cristo Terminaram o Domínio do Pecado Sobre Você

6.3.1 Os Preceitos da Graça Transformadora de Deus (vv.14-20)

6.3.1 Obedeça a Lei

6.3.2 Apresente-se a Servir à Justiça

6.4.1 A Perfeição da Graça Transformadora de Deus (vv.21-23)

6.4.1 A Perfeição do Pecado É Vergonha e Morte

6.4.2 A Perfeição da Graça É Santidade e Vida Eterna

RM036 | Romanos 5:20 e 21 | A Revelação da Lei

Texto Bíblico | A Lei (Primeira Etapa): Revela a Malignidade do Pecado do Homem | 5.3.1

20a Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse;

 Texto Bíblico | A Lei (Segunda Etapa): Revela a Grandeza da Graça de Deus | 5.3.1

20b mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;

21 Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor.

Comentário

A lei veio com o bom propósito de não somente [1] revelar o pecado do homem, mas também [2] deixar o homem sem a oportunidade de esconder, negar ou desculpá-lo (como se diz aqui: “para que a ofensa abundasse” v.20a). Isto, novamente, não quer dizer que a lei criou o pecado. Ao invés disso, os muitos mandamentos contidos na lei são como os dedos de Deus apontando diretamente a todo ato pecaminoso do homem e declarando-o culpado.


O poder da lei para revelar o pecado também revela a grandeza da graça de Deus. Sendo que a lei mostra que o homem é o inimigo de Deus, e absolutamente culpado perante Ele em todos os aspectos, então o remédio a este problema deve ser grande. A graça de Deus é tão grande! Tal que Paulo escreve: “Onde o pecado abundou, superabundou a graça” (v.20b). Com estas palavras, Paulo introduz o quinto e último “muito mais” do capítulo (que é traduzido com “super-” no português).

Desde que a graça de Deus exceda o pecado do homem, então a culpabilidade pode ser removida do homem. Todo pecado, do passado, do presente e do futuro é removido do seu registro. A vida justa de Jesus Cristo fez que a sua morte fosse suficiente para satisfazer a dívida do pecado (veja Rm 3:24 a 26). A vida eterna se tornou disponível a todos.

Quando Jesus Cristo morreu na cruz, removeu a coroa do pecado e a colocou na graça. Quando o pecado reinou (v.21), a humanidade certamente precisava morrer. O decreto soberano do rei pecado era que o pecador deve morrer. Quando a graça reina, porém, seu decreto, por assim dizer, é “para a vida eterna” (v.21). Assim como o homem debaixo do pecado não podia pedir vida do seu rei (o pecado), também agora o homem debaixo da graça não pode fazer nada para mudar a opinião da graça sobre o seu futuro. Ele tem e terá a vida eterna. O domínio  da graça permite que a graça mesmo decrete que qualquer pessoa que crê em Jesus Cristo certamente e de forma imutável terá a vida eterna. Estas são as grandes conclusões de capítulo 5.

As conclusões de Paulo em capítulo 5 produzem perguntas sobre duas questões: [1] a graça, e [2] a lei. Estas questões serão respondidas em capítulos 6 e 7 respectivamente, depois das quais, em capítulo 8, Paulo voltará a mostrar que crentes não são mais condenados por causa de Jesus Cristo.

Perguntas Interativas

  1. O que veio para que a ofensa abundasse?
  2. O que mais abunda: o pecado ou a graça?
  3. O que reina pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor?

Palavras-Chave

  • Abundasse – Passasse pela frente de; Fosse além de
  • Abundou – Passou pela frente de; Foi além de
  • Decreto Soberano – Mandamento que não pode ser alterado
  • Graça – A bondade de Deus para pessoas desmerecidoras
  • Justiça – Aquilo que alcança o padrão de Deus
  • Lei – Aqui, o padrão de Deus do bem e do mal dado aos judeus
  • Ofensa – Aqui, pecado contra Deus
  • Pecado – Desobediência contra Deus
  • Reinasse – Dominasse
  • Reinou – Dominou
  • Superabundou – Passou muito além de
  • Vida Eterna – Aqui, vida sem fim; imortalidade

RM034 | Romanos 5:12 a 15 | Os Resultados do Ato de Adão versus os Resultados de Cristo

Texto Bíblico | De Adão Veio o Poder do Pecado para Matar, mas de Cristo Veio o Maior Poder da Graça para Vivificar | 5.2.1

12 Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.

13 Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei.

14 No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.

15 Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.

Comentário

O pecado e a morte estão no mundo por causa de um homem, Adão. Ele foi o primeiro homem que Deus criou. Ele morava num mundo perfeito que não tinha nem pecado nem morte. Ele estava puro e reto diante de Deus. Quando, um dia, o grande inimigo de Deus, Satanás, tentou Adão, Adão caiu na tentação e pecou contra Deus. Deus tinha proibido que Adão comesse o fruto de uma árvore específica sob a penalidade da morte (Gn 2:17). A disobediência de Adão foi pecado. O pecado dele matou-o.

A morte de Adão não foi imediata. Ele e a sua esposa, Eva, tinham filhos, através dos qual veio a raça humana. Infelizmente, assim como todos os homens herdaram a semelhança de Adão, também herdaram o estado pecaminoso de Adão (v.12). Isto é óbvio porque ainda que ninguém tenha pecado exatamente igual a o de Adão, todos os homens morrem (“a morte reinou” v.14). Todos os homens morrem porque, assim como Adão pecou, todos os homens pecam.

A morte não é meramente a punição pelo pecado mas também a consequência natural do pecado (Tg 1:15). Paulo fala do tempo de “Adão até Moisés” (v.14) para mostrar este fato. Nos dias de Adão a Moisés não houve uma lei escrita de Deus. Alguns talvez achem que desde que não houvesse lei, não haveria pecado. Homens morreram, porém, ainda quando não havia lei—uma prova que o pecado existia sem violar uma lei escrita.

A lei, então, deve ser entendida, não como o criador do pecado, mas como o revelador do pecado (v.13). (Veja Rm 2:12 a 16 e seu comentário.) Deus já Se revelou a Si mesmo e Seu padrão na natureza (Rm 1:20). A humanidade violou este padrão nos dias da lei escrita e nos dias quando a lei não estava em vigor. As violações do homem contra o padrão de Deus eram suficientes para destruí-lo independentemente da lei escrita que traz condenação e punição.

Adão é o tipo (“figura” v.14) de Jesus Cristo, nem tanto por comparação, mas por contraste. Suas semelhanças são mais valorosas em mostrar suas diferenças. Isto levou Paulo a seu terceiro “muito mais.” Se o único pecado de Adão tinha o poder para matar, então “muito mais” a graça de Deus, que é vida eterna através de Jesus Cristo, (aqui, “o dom” v.15), tem o poder para vivificar! Isto é, o que um homem fez para matar não se compara com o que Deus fez para vivificar.

Perguntas Interativas

  1. Por quantos homens o pecado entrou no mundo?
  2. O que entrou no mundo pelo pecado?
  3. O que passou a todos os homens por isso que todos pecaram?
  4. Como é que sabemos que o pecado estava no mundo ainda que não houvesse lei nos dias entre Adão e Moisés?
  5. Por quantos homens a graça de Deus abundou sobre muitos?

Palavras-Chave

  • Abundou – Atravessou um limite
  • Adão – Aqui, a primeira pessoa que quebrou uma lei de Deus
  • Figura – Imagem; forma
  • Graça – A bondade de Deus para pessoas não merecedoras
  • Imputado – Reconhecido; Crido a ser verdadeiro porque é
  • Lei – Aqui, o padrão de Deus do certo e do errado dado aos judeus
  • Moisés – Aqui, a pessoa que recebeu a lei de Deus
  • Mundo – Humanidade
  • Ofensa – Aqui, injustiça contra Deus; falha
  • Pecado – Aqui, a tendência do homem a desobedecer Deus; a natureza pecaminosa
  • Pecaram – Aqui, desobedeceram a Deus
  • Portanto – Então; à visto disso
  • Reinou – Controlou; ficou na posição de um rei
  • Satanás – Anjo cujo orgulho foi punido por ele perder sua posição no céu, e cujas mentiras levam as pessoas a pecarem para que se destruam
  • Semelhança – Parecença
  • Tentou – Levou da verdade para o erro através das concupisciências (desejos pecaminosos) inteirnas
  • Transgressão – Pecado; atravessando uma linha que Deus desenhou; quebra de uma lei definida

RM031 | Romanos | Índice de Capítulo 05

Capítulo 05 | Justificação pela Fé

5.1.1 Os Resultados da Justificação pela Fé (vv.1 a 11)

5.1.1 Justificação pela Fé Dá ao Homem Paz com Deus

5.1.2 Justificação pela Fé Dá ao Homem Entrada à Graça

5.1.3 Justificação pela Fé Dá ao Homem Glória nas Suas Tribulações

5.1.4 Justificação pela Fé Dá ao Homem a Demonstração sem Igual do Amor de Deus

5.1.5 Justificação pela Fé Dá ao Homem Reconciliação com Deus

5.2.1 Os Resultados do Ato de Adão versus os Resultados de Cristo (vv.12 a 19)

5.2.1 De Adão Veio o Poder do Pecado para Matar, mas de Cristo Veio o Maior Poder da Graça para Vivificar

5.2.2 De um Pecado de Adão Muitos foram Condenados, mas de um Dom de Cristo Pecadores São Justificados de Todos os Seus Pecados

5.2.3 Do Pecado de Adão Todos os Homens São Condenados, mas da Justiça de Cristo Todos Podem Ser Justificados

5.3.1 A Revelação da Lei (vv.20, 21)

5.3.1 A Lei (Primeira Etapa): Revela a Malignidade do Pecado do Homem

5.3.2 A Lei (Segunda Etapa): Revela a Grandeza da Graça de Deus

RM029 | Romanos 4:14 a 22 | Deus Aceita a Fé para o Proveito de Todos

Texto Bíblico | As Sagradas Escrituras Mostram que a Fé É Imputada por Justiça para o Proveito de Toda a Humanidade | 4.2.2

14 Porque, se os que são da lei são herdeiros, logo a é e a promessa é aniquilada.

15 Porque a lei opera a ira. Porque onde não há lei também não há transgressão.

16 Portanto, é pela , para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da que teve Abraão, o qual é pai de todos nós,

17 (Como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem.

18 O qual, em esperança, creu contra a esperança, tanto que ele tornou-se pai de muitas nações, conforme o que lhe fora dito: Assim será a tua descendência.

19 E não enfraquecendo na , nào atentou para o seu próprio corpo já amortecido, pois era já de quase cem anos, nem tampouco para o amortecimento do ventre de Sara.

20 E não duvidou da promessa de Deus por incredulidade, mas foi fortificado na , dando glória a Deus,

21 E estando certíssimo de que o que ele tinha prometido também era poderoso para o fazer.

22 Assim isso lhe foi também imputado como justiça.

 Comentário

A fé é e deve ser o único caminho para receber a promessa do direito de herança. Segundo Paulo, se em vez da fé, alguém é requerido guardar a lei, então há três ensinos-chave da Escritura que se tornam sem propósito: [1] a fé, [2] a promessa de Deus e [3] a graça.

Primeiro, se o direito de herança fosse pela lei, a Escritura não teria razão nenhuma a mencionar fé (v.14). Segundo, a promessa de Deus permaneceria não realizada porque o homem não consegue obedecer a lei (v.16). Terceiro, desvaloriza a graça de Deus. A graça é a bondade de Deus para aqueles que não a merecem. Isto significa que se o homem pudesse guardar a lei (que é impossível) o galardão não seria mais um dom, mas sim um pagamento, como se Deus o devesse.

Deus simplesmente quer que Sua promessa seja pela fé. Isto [1] permite-O mostrar a Sua graça; [2] faz a promessa disponível a todos que estão dispostos a confiá-LO para a receber; e [3] guarda Sua promessa a Abraão.

Deus também prometeu para Abraão que seria  “pai de muitas nações” (v.17). Veja Gn 17:4. Isto corresponde com a promessa que ele seria o “herdeiro do mundo” (Rm 4:13). Ambos se referem ao tempo quando Jesus Cristo será o Rei da terra, e todas as pessoas da fé serão seus sujeitos amorosos. Sendo o caso, a ideia judaica que o cumprimento da promessa foi um mundo reinado pela nação judaica não foi exatamento verdadeiro. Somente os que têm fé, judeus ou gentios. serão permitidos neste reino.

110_04_0033_BiblePaintings

Paulo entendeu que a fé de Abraão era tal que Deus poderia dar vida aos mortos. Ambos Abraão e a sua esposa, Sara, eram velhos e incapazes fisicamente de terem filhos. Além disso, Sara nunca tinha filho. Isto quis dizer que um milagre de nova vida foi requerido. Abraão aceitou a promessa de Deus sem enfraquecer na fé. Quando parecia que ele não deveria esperar nada (“contra a esperança” v.18) ele osadamente esperou (“creu contra a esperança”) que Deus tinha este poder. Foi convencido que Deus o poderia e o faria; portanto, louvou a Deus (v.20). Deus viu esta fé em Abraão, foi agradado, e a imputou-lhe como justiça (v.22; Gn 15:6). Por Abraão, então, Paulo mostra muito claramente que Deus não se interessa na nossa habilidade imperfeita a guardarmos a lei, mas se interessa em nossa fé nEle.

Perguntas Interativas

  1. O que aniquilaria a promessa para Abraão, se fosse a verdade?
  2. A qual fim Deus queria que a promessa seja pela graça por meio da fé?
  3. O que Abraão deu que mostrou que não enfraqueceu na fé ainda que o seu corpo e o ventre da Sara estavam amortecidos?
  4. Quão persuadido estava Abraão que Deus tinha o poder para fazer o que prometeu?

Palavras-Chave

  • Abraão – Antepassado principal dos judeus (1900s a.C.)
  • Amortecido – Aqui, não capaz de reproduzir
  • Amortecimento – Aqui, a inabilidade de reproduzir
  • Descendência – Filhos
  • Esperança – Expectativa ousada
  • – Confiança
  • Glória – Aqui, dar a Deus o crédito pela benção
  • Graça – Bondade de Deus aos que não merecem
  • Herdeiros – Aqueles que recebem algo lhes separado
  • Imputado – Atribuído
  • Ira – Raiva
  • Justiça – Aquilo que alcança o padrão de DEus
  • Lei – Aqui, o padrão de Deus do bem e do mal dado aos judeus
  • Posteridade – Filhos
  • Sara – Esposa idosa de Abraão
  • Transgressão – Pecado; Atravessar a linha que Deus desenhou
  • – Sem propósito
  • Vivifica – Faz vivo; Dá vida

RM024 | Romanos 3:27 a 31 | O Propósito da Lei Revelado por Fracassos Judaicos

Texto Bíblico | A Lei Tira a Bazófia de Todo Homem | 3.2.4

27 Onde está logo a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não; mas pela lei da

28 Concluímos, pois, que o homem é justificado pela sem as obras da lei.

29 É porventura Deus somente dos judeus? E não o é também dos gentios? Também dos gentios, certamente, 

30 Visto que Deus é um só, que justifica pela a circuncisão, e por meio da a incircuncisão.

Texto Bíblico | A Lei É Estabelecida Através da Justificação pela Fé | 3.2.5

31 Anulamos, pois, a lei pela ? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.

Comentário

Se por acaso haja uma lei que faz os homens aceitáveis ao ver de Deus, Paulo conclui que é “a lei da fé” (v.27). Neste uso da palavra “lei,” Paulo está fazendo um jogo de palavras. A palavra “lei” pode se referir especificamente à lei de Deus ou simplesmente a um padrão fixo. Por isso, então, alguém pode dizer que há uma lei pela qual os homens são justificados, mas não é a lei dada aos judeus. Ao invés disso, é o padrão fixo da fé em Jesus Cristo; isto é, somente uma regra deve ser obedecido para o perdão—a crença em Cristo.

O perdão que vem através da fé é para ambos os judeus e gentios (v.29). Paulo basea isso no fato que “Deus é um só” (v.30).


Em conclusão, Paulo fala mais uma vez por causa dos seus oponentes. Eles argumentavam que os ensinos de Paulo fizeram que a lei dada aos judeus fosse desnecessária (At 21:28). Paulo nunca alegou isto. Na verdade, seus ensinos não danificam a lei, mas sim estabelecem a lei (v.31). De qual maneira? Enquanto a lei poderia existir sem o evangelho, o evangelho nunca poderia existir sem a lei.

(Por um estudo mais avançado, considere de qual maneira a lei leva os homens a Cristo e é, portanto, uma parte muito importante do evangelho. Veja Gl 3:24. Também, lembre-se de que a ausência da lei nas vidas dos gentios não significa que o evangelho é desnecessário para eles. Eles têm a obra da lei nos seus corações. Revise capítulo 2 para entender isso.)

Perguntas Interativas

  1. O que justifica o homem nos olhos de Deus?
  2. Qual resultado vem à lei pelos ensinos de Paulo?

Palavras-Chave

  • Anulamos – Abolimos; negamos a importância; eliminamos; cancelamos a validade
  • Circuncisão – Aqui, os judeus sendo identificados pela remissão da carne
  • Incircuncisão – Aqui, os gentios sendo identificados por não ter a remoção da carne
  • Estabelecemos – Aqui, confirmamos a validade e força
  • Gentios – Aqui, os que não são judeus
  • – Aqui, confiança
  • Lei – Aqui, padrão que não muda
  • Jactância – Ato de gloriar-se; bazófia
  • Justifica – Libera da penalidade do pecado; faz não condenado
  • Justificado – Considerado não culpado diante de Deus
  • Judeus – Aqui, aqueles que foram dados a lei de Deus
  • Obras – Atos
  • Porventura – Talvez

RM023 | Romanos 3:21 a 26 | O Propósito da Lei Revelado por Fracassos Judaicos

Texto Bíblico | A Lei e os Profetas Testemunhavam a Justiça de Deus em Jesus Cristo | 3.2.3

21 Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;

22 Isto é, a justiça de Deus pela em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.

23 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

24 Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.

25 Ao qual Deus propôs para propiciação pela no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;

26 Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem em Jesus.

Comentário

Antes da vinda de Jesus Cristo, Deus revelou a justiça pela lei. “Mas agora” (v.21) Ele revelou “sem a lei a justiça de Deus” através de Jesus Cristo.

A lei e os profetas das Sagradas Escrituras tinham testificado de Jesus Cristo e da Sua justiça. Esta justiça não vem pelos esforços do homem para guardar a lei, mas “pela fé” (v.22). O homem é incapaz de obedecer perfeitamente a lei. Não consegue alcançar a justiça necessária para ser aceito por Deus.

A justiça que o homem precisa vem através de Jesus Cristo. Qualquer homem, mulher, menino ou menina quer seja judeu ou gentio—sendo que todos são igualmente pecadores condenados (v.23)—pode receber a justiça através de Jesus Cristo, se confiar somente nEle.

Deus liberta todos da escravidão da lei quando crêem (v.24). No que devem crer? Paulo diz que deve pôr “fé no seu sangue” (v.25). Isso conecta a pessoa de Jesus Cristo com a obra de Jesus Cristo. Alguém não deve somente crer na existência de Jesus Cristo ou meramente que Ele é o Filho de Deus, mas também deve crer que há perdão do pecado através Sua morte na cruz.

Paulo, aqui, chama Jesus da “propiciação” (v.25). Esta palavra, querendo dizer satisfação, mostra o que o homem precisava e o que Jesus providenciou. O homem precisava satisfazer a Deus, especificamente, a dívida que devia por quebrar a lei de Deus. Jesus Cristo viveu perfeitamente segundo o padrão da lei. Quando Ele foi crucificado na cruz, Sua morte foi o pagamento pelos pecados que nunca cometeu. Aquele pagamento então é suficiente para satisfazer a dívida da humanidade, e é eficiente a todos que colocam sua fé em Jesus Cristo. (Para um estudo mais avançado, considere I Jo 2:1, 2).

Por esta propiciação Deus declarou novamente “sua justiça” (v.26). Deus não somente perdoou o pecado do homem, mas permaneceu justo em perdoar assim. De qual maneira? Ele perdoou o homem através da morte do Seu Filho, uma morte que era substitutiva. Deus ainda pune o pecado, mas em vez de matar o pecador, Cristo foi morto no seu lugar. Deus, então permanece “justo e justificador” (v.26).

Perguntas Interativas

  1. O que e quem testemunharam a justiça de Deus cumprida pela fidelidade de Jesus Cristo?
  2. O que alguém deve fazer para ter a justiça de Deus por Jesus Cristo?
  3. Quem se tornou a propiciação de Deus, fornecendo a justiça necessária para os pecados serem remidos?

Palavras-Chave

  • – Aqui, Confiança; Crença de todo o coração
  • Glória – Esplendor
  • Justiça – Aquilo que satisfaz o padrão de Deus
  • Justificador – Alguém que declara que outra pessoa não é culpada
  • Justificados – Liberados da penalidade do pecado, como se nunca pecassem
  • Justo – Imparcial; reto
  • Lei – Aqui, o padrão divino escrito do certo e do errado dado aos judeus
  • Manifestou, se – É revelado
  • Paciência – Tolerância
  • Pecaram – Desobedeceram a Deus
  • Profetas – Aqui, escritores das Sagradas Escrituras que predisseram de Jesus Cristo e da Sua obra para salvar o homem do pecado
  • Propiciação – Satisfação; conciliação
  • Remissão – Omissão
  • Substitutiva – No lugar de outro
  • Testemunho – Observação